quarta-feira, 14 de abril de 2010

Resposta de Affonso Romano de Sant`Anna , aos seus leitores_

----- Original Message -----
From: Affonso
To: nana@virtualtelecom.com.br
Sent: Tuesday, April 06, 2010 10:28 AM



Ana,

Estou vendo/lendo os comentários de seus/nossos leitores do Brasil, de Portugal e outras partes do mundo.

Como se vê a praga da mentira é global e intemporal.

E a poesia é a hora da verdade.

Como a arte em geral.

Por isto que lhe adianto uma noticia:- mais umas semanas sai edição comemorativa de QUE PAIS É ESTE?,publicado há 30 anos, em plena ditadura.

Poesia é também uma forma de passar a essência da história a limpo.

Abraço aos meus e seus leitores, e parabéns pelo belo trabalho.



Affonso Romano de Sant`Anna

http://epalavra.blogspot.com/2010/04/implosao-da-mentira-de-ars.html#comments

7 comentários:

  1. É muito bom ver um escritor, um intelectual de verdade, preocupado com os rumos do mundo....
    Obrigada, ARS!

    ResponderExcluir
  2. E que bom ler as suas palavras, Affonso.

    Espero ansiosamente pelo seu livro!

    Um grande abraço
    Jorge Vicente

    ResponderExcluir
  3. Li uma vez que no Rio da Vida a gente deve ter cuidado com os remansos e com as correntezas, pra não ficar parado ou correr demais, seguir o ritmo do rio.

    Mas depois descobri que há pessoas que são como barcos seguros que vale a pena seguir.

    Acho que usa presença nessa Esquina é um bom barco.

    Também quero ser informado quando o livro sair.

    Vou deixar um soneto que poderia ter algo a ver com aquele paí de que trata seu livro.

    Um abraço,
    Adriano.




    DIA DOS MACACOS, O SONETO





    Quando os ingratos humanos fazem festa

    no Natal ou comemoram aniversários,

    ou se balançam num carnaval de esqueletos otários,

    eu me recolho, leitor, sentindo coisa bem funesta...



    A tal raça de humanos, que não presta

    e costuma fingir homenagear seus pais,

    nunca faz uma festinha, sequer modesta,

    em tributo a nossos veros ancestrais.



    No zoológico, ou bem longe na floresta,

    tristes bandos é tudo que ainda resta:

    no asilo ou abandono os pais do homem.



    E eu sofro, leitor, porque talvez nunca domem

    seu orgulho e burrice os filhos ingratos

    e nunca elejam um santo dia pros macacos.





    Antônio Adriano de Medeiros

    31 de março - 2004

    ResponderExcluir
  4. Que lindo espaço! Lindos textos e poesias! Que delícia Affonso tão pertinho... Que venha o livro tão esperado!

    Parabéns a todos!!!!!!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Adorei esse blog e já estou seguindo!Parabéns pela qualidade de textos e poetas que encontro aqui!Parabéns tb pelo lançamento do livro!Abraços,

    ResponderExcluir
  6. Olá Poetas! Esta semana estou divulgando uma “nova” postagem. Trata-se de um conto; que na verdade vem a ser uma reedição de meu blog. Sua postagem original ocorreu em 13.02.09; sendo esta a minha terceira postagem no blog. Naquela ocasião este texto não recebeu nenhum comentário. O texto é “O Sr. e o Dr.”. Espero que você, tendo um tempinho, o aprecie.
    Um grande abraço, minha gratidão e desejo que tenha uma ótima semana!

    Jefhcardoso

    ResponderExcluir